4 tendências sobre energia limpa para ficar ligado

A busca por energia limpa já é uma realidade mundial. Muitos países têm se comprometido em chegar às emissões líquidas zero em 2050, conforme relatório especial da IEA (Agência Internacional de Energia).

Mas para alcançar este resultado muitas transformações são necessárias, e a principal delas é a produção de eletricidade de maneira que não comprometa a vida no planeta.

Para te deixar por dentro deste assunto, segue um texto que explica a energia limpa e quais serão os seus impactos no futuro.

O que é energia limpa?

Energia limpa ou clean energy são as energias que vêm de fontes renováveis e que não poluem a atmosfera.

Os principais tipos são:

 Energia Solar

Usando a luz do Sol como fonte, a eletricidade pode ser captada por duas formas: a Fotovoltaica e Hipotérmica.

Na primeira, a transformação da radiação solar em eletricidade é feita através de placas fotovoltaicas que ficam expostas à luz.

Já no segundo caso, a geração é feita através de uma torre central que recebe a luz refletida por espelhos.

Energia Eólica

A energia é criada a partir da ação dos ventos sobre as hélices com duas ou três pás fixadas em uma torre alta.

Energia Hídrica

É uma das energias limpas mais utilizadas comercialmente.  A eletricidade é gerada a partir do movimento da água represada dentro de grandes turbinas.

Energia Geotérmica

Usa o calor natural do centro da Terra para produzir eletricidade através de dutos especiais colocados no subsolo com uma grande quantidade de água, que se torna vapor e movimenta as turbinas de energia.

Energia da Biomassa

Utiliza a queima de material orgânico, como bagaço de cana-de-açúcar, para produzir energia.

Embora este processo libere gases poluentes na atmosfera, ainda é considerada uma fonte de energia limpa porque o dióxido de carbono (CO²) é absorvido no cultivo destes materiais.

Energia Maremotriz

Também chamada Energia das Marés, a eletricidade é produzida a partir da força das ondas e marés.

Para isso são usadas grandes torres subaquáticas, porém como o custo de produção é alto esta energia limpa é pouco utilizada.

Quais são as suas vantagens e desvantagens?

O primeiro benefício é a sustentabilidade, já que a energia limpa utiliza fontes renováveis na produção de eletricidade.

Também ela possibilita a descarbonização (redução da emissão de gás carbônico na atmosfera) o que diminuiria os efeitos do aquecimento global.

Ainda, embora o custo inicial seja elevado, como ela usa recursos que se renovam naturalmente, com o tempo, a energia limpa se torna mais barata do que a não renovável (derivada de combustíveis fósseis como petróleo, gás natural ou energia nuclear como urânio e tório).

O ponto negativo é que a tecnologia para a produção de energia limpa ainda não é tão avançada quanto as tradicionais, o que dificulta a implantação em larga escala.

O crescimento da clean energy

O conceito da clean energy como uma alternativa menos poluente surgiu a partir da década de 70. Contudo, este assunto ganhou muita relevância nos últimos anos.

Afinal, estamos acompanhando os impactos que a ação humana tem provocado no planeta, como o aumento da temperatura, nuvens de poeira e falta de água potável.

Diante disso, a sustentabilidade tornou-se prioridade para líderes mundiais e as energias limpas se mostram uma alternativa para conseguir equilíbrio.

Tanto que em setembro deste ano foi fundada a Aliança Global para a Energia Sustentável (Global Alliance for Sustainable Energy), uma iniciativa criada por 17 empresas e instituições.

O objetivo da organização é uma transição justa para a produção de energia líquida zero e socialmente responsável.

Tendências para as energias limpas

Com o esgotamento das energias não renováveis. As energias limpas vêm ganhando mais reconhecimento social e econômico. 

Para entender, acompanhe as principais tendências do setor:

1.    Mais investimentos

Os investidores buscam empresas que sigam o ESG (Environmental, Social and Governance), uma série de parâmetros que indicam boas práticas ambientais, sociais e de governança em ambientes corporativos.

Esta tendência tem ganhado tanta força que foram criados fundos de investimento ESG para as pessoas que desejam financiar esses empreendimentos.

Embora no Brasil a iniciativa ainda esteja no começo, nos Estados Unidos os fundos de investimento sustentável alcançaram US $51,1 bilhões em 2020.

2.   Consumidores engajados

Além dos investidores, a população geral vem reconhecendo a energia limpa como uma forma de manter a sustentabilidade do planeta.

Por isso, tem escolhido produtos e serviços conforme este princípio. O que levou ao aumento da compra de baterias com alta capacidade de armazenamento para uso doméstico e empresarial.

Outro exemplo é a popularização dos carros elétricos, com cada vez mais adeptos. No Brasil até agosto de 2021 foram vendidos 21.397 carros elétricos e híbridos (com motor a combustível e elétrico), enquanto em 2020 foram 19.745 vendidos durante o ano.

3.    Aumento da energia eólica e solar

Segundo a Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA) estas duas fontes de energia irão liderar a transição para as energias renováveis.

Afinal, elas causam pouco impacto ambiental e social, além disso, o custo de implementação tem diminuído. Neste ponto o Brasil é privilegiado porque é um dos países com mais incidência de luz solar.

No entanto, para haver avanços, é fundamental que existam incentivos e linhas de crédito que estimulem a implantação.

4.   Oportunidades de trabalho

Com o avanço das energias renováveis o mercado de trabalho para este setor também está aquecido. O Brasil já é um dos líderes mundiais na geração de empregos através de energias renováveis.

A principal razão são as energias renováveis que correspondem a 83% da matriz elétrica produzida no país. A participação é liderada pela hidrelétrica (63,8%), seguida de eólica (9,3%), biomassa e biogás (8,9%) e solar centralizada (1,4%). 

Mas a tendência mundial é que o investimento em outras fontes sustentáveis de energia aumente, e com isso a demanda por profissionais especializados também.

Outro modelo de negócio que tem surgido é o EaaS (Energy as a Service). Nele uma empresa oferece uma opção de energia sustentável para a outra, através de uma parceria.

Deste modo, as empresas conseguem alcançar uma economia de energia entre 20% a 25%.

Como vimos, o futuro se encaminha para o uso de energia limpa, o que gera mudanças significativas na sociedade. Por isso, é importante prestar atenção nas tendências e participar das transformações.

Conheça as redes sociais do Global Hub e conecte-se conosco:

Instagram: @uninterglobalhub

Facebook: @uninterglobalhub

Linkedin: UNINTER – Global Hub

Youtube: UNINTER Global Hub

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no Twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no WhatsApp