Lifelong Learning: a habilidade de aprender continuamente

O aprendizado para você se limita só ao ambiente acadêmico ou é mais profundo que isso? Se o segundo caso for a resposta é possível que você já aplique o Lifelong Learning (aprendizado ao longo da vida) sem nem perceber.

Ficou curioso? Descubra o significado e quais as vantagens de praticar este estilo de vida.

O que é Lifelong Learning?

Segundo Conrado Schlochauer, autor do livro Lifelong Learning o poder do aprendizado contínuo: “o aprendizado é o único caminho para nos mantermos relevantes e ativos”.

E querendo ou não essa é uma realidade, já que segundo uma pesquisa encomendada pela Dell Technologies ao IFTF (Institute For The Future), 85% das profissões de 2030 ainda não existem.

Logo, novo cenário fez com que este conceito ganhasse tanta relevância.

Lifelong Learning nada mais é do que viver a vida motivado pelo aprendizado contínuo.

O termo surgiu durante a década de 70 na Europa, mas só ganhou popularidade internacional em 2010 a partir do relatório da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI da Unesco.

O objetivo é através do conhecimento atingir o desenvolvimento pessoal e profissional se tornando um participante ativo na sociedade e, consequentemente, um cidadão melhor.

Por isso, o Lifelong Learning está relacionado tanto com o aprendizado formal quanto o informal.

Como funciona o Lifelong Learning?

 Por mais que durante a vida o aprendizado seja inevitável (cometemos erros e aprendemos com eles) fazer disso um estilo de vida é bem diferente.

Por exemplo: na escola, muitas vezes você estuda para conseguir boas notas e ser aprovado no fim do ano.

Já para quem pratica o Lifelong Learning o aprendizado é para prosperar e ser uma pessoa melhor. Logo, várias formas de conhecimento e estudo entram nesta conta.

Por exemplo: aprender a cultivar uma horta, usar um novo aplicativo, estudar geopolítica… 

É ter a mente aberta para tudo que possa contribuir para o seu cotidiano, mesmo que isso não lhe renda nenhum ganho financeiro.

Conforme a Lifelong Learning Council Queensland (LLCQ) o Lifelong Learning é baseado em 4 pilares:

1.   Aprender a conhecer

Para que o aprendizado se torne um hábito e a pessoa retenha o conhecimento ela precisa de um estímulo. Um deles é o prazer.

Por exemplo: um livro de fantasia de 300 páginas costuma ser bem mais divertido de ler do que uma tese de doutorado de 200 páginas. Também é muito mais fácil decorar uma canção do que um discurso.

Outra técnica para adquirir conhecimento de forma questionadora. Afinal é mais simples lembrar algo quando tentamos encontrar uma resposta.

Basta pensar nas dúvidas que temos no cotidiano, como: por que o céu é azul?

Quem buscar a resposta certamente terá mais chances de decorá-la do que se apenas lê-la no texto.

Mais uma forma de aprender a conhecer é desenvolvendo o senso crítico.

É comum encontrarmos situações das quais não concordamos e pensarmos: será que realmente precisa ser assim? 

Esta dúvida também é um ótimo estímulo para o aprendizado.

2.   Aprender a fazer

Segundo a metodologia de aprendizagem 70:20:10 desenvolvida pelos professores Morgan McCall, Robert Eichinger e Michael Lombardo do Center for Creative Leadership, na Carolina do Norte (EUA) em 1990, um profissional aprende da seguinte forma:

  • 70%: das experiências práticas (vivência do dia-a-dia)
  • 20%: interações com os outros (observações e trocas)
  • 10%: educação formal (cursos e palestras)

Ou seja, como dizia Aristóteles: “é fazendo que se aprende a fazer aquilo que se deve aprender a fazer”.

Então, para que o aprendizado se torne um hábito também é preciso exercitá-lo

Por isso, este pilar do Lifelong Learning coloca à prova o desenvolvimento das habilidades cognitivas como: memória, atenção e percepção.

Já que se a pessoa tem estas capacidades poderá colher os frutos do aprendizado, realizando escolhas difíceis, solucionando problemas ou se adaptando em momentos de adversidade.

3.   Aprender a conviver

Saber se relacionar com o outro é uma peça fundamental para o aprendizado, pois a interação com os demais nos faz crescer como indivíduos.

É a partir desta troca que desenvolvemos habilidades como trabalho em equipe e inteligência emocional.

Mas, para que o convívio traga bons resultados é importante criar um ambiente colaborativo, onde as diferenças são respeitadas. E estes resultados só são possíveis com a empatia.

Pois, a empatia além de contribuir para a tolerância e a cooperação, também estimula o autoconhecimento. Afinal, é mais fácil sermos tocados pelo sofrimento do outro quando já sentimos as mesmas emoções.

Outro aspecto deste pilar do Lifelong Learning é que: “ninguém é tão ignorante que não tenha algo a ensinar. Ninguém é tão sábio que não tenha algo a aprender.” (Blaise Pascal).

Logo, toda a interação entre os seres humanos é uma forma de aprendizado

4.   Aprender a ser

Este pilar diz respeito ao desenvolvimento da autonomia. Pois para que o aprendizado seja constante é preciso que a pessoa se sinta automotivada e tenha um forte senso de autorresponsabilidade.

Logo, é importante estimular a independência das pessoas, para elas enxergarem o seu potencial e descobrirem a melhor forma de desenvolvê-lo.

Também é preciso estar aberto à diversidade e não se limitar pelos modelos já pré-estabelecidos, pois só assim é possível inovar.

Uma estratégia para aprimorar este pilar é se permitir vivenciar diferentes tipos de experiência, desenvolvendo o autoconhecimento e descobrindo os seus talentos.

Por que ser um Lifelong Learner?

Lifelong Learner é o nome dado a pessoa que escolheu praticar o Lifelong Learning como um estilo de vida.

Seguem 3 vantagens desta decisão.

Aumentar a saúde

Como diz o ditado: “mente sã, corpo são”.

Estudos comprovam que aprender um novo idioma retarda o surgimento do Alzheimer em até cinco anos. Ou seja, o aprendizado contínuo te mantém saudável por mais tempo.

 Crescimento profissional

Que empresa não quer um profissional atualizado e disposto a aprender?

Ao praticar este modo de vida é bem provável que você tenha mais ganhos financeiros e cargos melhores.

 Domínio de novas tecnologias

Como colocamos lá no começo do texto, o Lifelong Learning recebeu destaque pelas mudanças constantes impulsionadas pela tecnologia.

Logo, o desejo de aprender mais sobre elas é a peça chave para prosperar neste novo cenário.

Então, já pratica o Lifelong Learning?

Para mais conteúdos, conheça as redes sociais do Global Hub e conecte-se conosco:

Instagram: @uninterglobalhub

Facebook: @uninterglobalhub

Linkedin: UNINTER – Global Hub

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no Twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no WhatsApp